sábado, 5 de agosto de 2017

Descaso público com o centro histórico de Santo Antônio de Lisboa




SÓ TOMBAR NÃO ADIANTA


Tombada recentemente pelo IPHAN, a tradicional vila de Sto. Antônio de Lisboa, vem sofrendo um perigoso processo de descaracterização, que se não for freado a tempo comprometera, irreversivelmente,  aqueles valores que tornaram o bairro tão aprazível e único.

A falta de uma normatização que leve em conta a identidade cultural, visual e ambiental do centro histórico, tem permitido as maiores aberrações e as mais absurdas e descabidas interferências, que aos poucos vão desfigurando e poluindo o local.

Placas comerciais colocadas a esmo por todo lado, barracas construídas sobre as calçadas já estreitas, comprometendo não só a estética como a própria segurança dos pedestres, churrasqueiras improvisadas ocupando indevidamente o espaço público, trailers instalados em locais inapropriados, e, absurdo dos absurdos, mesas de plástico e araras com roupa usada, expostas nos finais de semana em plena área tombada sem a mais elementar preocupação estética.


                  Centro histórico de Santo Antônio de lisboa: INACREDITÁVEL!

Essa coluna seria insuficiente para listar todas as mazelas, que incluem também a poluição sonora de um estridente exaustor instalado por um restaurante no centrinho histórico...  Agora, para complementar resolveram fechar a Rua Cônego Serpa todos os finais de semana para fazer apresentações de pagode, mesmo existindo no mesmo local o Clube Avante, que poderia se fosse o caso, sediar as apresentações para evitar os transtornos e perturbações de toda espécie que esse tipo de evento provoca. 

Mas o bom senso infelizmente não tem prevalecido. Por interesses puramente argentários mal camuflados, compromete-se todo o ambiente, descaracterizando-o, retirando-lhe a identidade e o rosto, matando a própria galinha dos ovos de ouro. Se nada for feito, em breve, Sto.  Antônio de Lisboa será apenas mais um não lugar, desfigurado, poluído em todos os  sentidos e sem alma.


 A educação de uma comunidade mede-se entre outras coisas pela maneira como são tratados seus valores, dentre os quais se incluem a estética e harmonia dos espaços públicos.


4 comentários:

  1. Amo Santo Antonio de Lisboa desde inícios de 1972. Era inacreditavelmente belo. Tristeza isso que estão fazendo. Acada ano a exploração descaracteriza, enfeia e suja esse paraíso. Cuide como puderes amigo. E enquanto puderes. Sei como é desgastante e frustrante mas não dá pra deixar de denunciar e lutar contra esse crime.

    ResponderExcluir
  2. Santo Antônio parece terra de ninguém. Não há limitação física entre calçada e espaço para veículos. Carros estacionados à revelia da lei. Moradores que não têm como sair de casa pelos veículos estacionados e outros sequer chegam em casa porque os ônibus não conseguem circular. Calçadas ocupadas com barracas, mesas, cadeiras, churrasqueiras, vasos, e a Cônego Serpa fechada, sem qualquer decisão da comunidade. ACORDEM IPUF E IPHAN.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns a matéria, realmente a vila hoje tombada precisa mesmo que alguém tome providencias porque o que vemos nos finais de semana naquele pequeno pedaço parece uma favela, onde misturam-se cultura com aproveitadores. mas aqui não é diferente de qualquer outro lugar para muitos os rigores da lei, para outros a benefice.

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente. para poucos lucrarem, a maioria é prejudicada.

    ResponderExcluir